quarta-feira, 10 de março de 2010

Não há homem nem mulher... há Humanidade

Mãe, esposa, médica e autarca. Quatro facetas de Isaura Pedro, presidente da Câmara Municipal de Nelas, a única mulher a liderar um município no distrito de Viseu. Quatro "missões" que decidiu abraçar com a mesma paixão. É uma mulher num mundo tradicionalmente de homens, mas que a autarca recusa ver dessa forma.
"Recusar-me-ia a ocupar um lugar qualquer se soubesse que estava meramente a preencher uma quota", afirma categoricamente Isaura Pedro.

Médica durante 25 anos, período durante o qual chegou a ocupar o cargo de gestora do centro de saúde de Nelas, a agora autarca a tempo inteiro diz ter nascido numa geração "privilegiada", explicando que actualmente já "não se contesta o papel ocupado pela mulher". "No século passado assistiu-se ao irromper da mulher no meio social e a quebrar e abanar certas regras".
"Hoje percebo que a minha geração está numa posição privilegiada porque teve acesso à educação e à liberdade de escolha. São coisas fundamentais e por isso as mulheres ocupam todos os lugares possíveis e penso que se têm afirmando pelo seu mérito",
realça.
O mérito é, aliás, para Isaura Pedro a palavra-chave. "Uma mulher que trabalhe, o seu mérito é reconhecido pelos homens". Dando como exemplo a sua própria experiência, a autarca diz estar satisfeita por em todos os lugares que ocupou nunca ter sido descriminada. "Tudo aquilo que sou foi sempre por mérito, à custa de muito trabalho e devo muito ao meu porto de abrigo que é a minha família e, particularmente, o meu marido", confessa.

Isaura Pedro gosta do Dia da Mulher, até porque foi a data em que se casou. Por isso, as efemérides são, sempre que possível, assinaladas com um jantar. Mas, particularmente, defende que este dia deve servir para homenagear aquelas que lutaram pelos direitos e que sofreram para que hoje a mulher consiga "ser o que é". Na sua opinião, a história vai-se fazendo e, por isso, quando se fala em Lei da Paridade é a primeira a sublinhar que "decretos-lei não mudam mentalidades".

A autarca não gosta de falar em desigualdade de género, mas admite que o sexo feminino é "um ser superior" pela sua capacidade de conseguir compatibilizar a família e a carreira "sem se queixar". Por outro lado, "a mulher tem a particularidade de ser mais pragmática e ir directamente aos assuntos porque o tempo urge e tem muitas coisas para fazer". "Em reuniões com homens perdem-se imensas horas a falar de coisas que não têm interesse", brinca. Uma constatação pelos anos de experiência que já leva enquanto médica e, agora mais recentemente, enquanto autarca.

"Fui médica durante 25 anos, tive cargo de gestão, tenho a minha família, uma filha e aceitei este desafio para ser autarca do meu concelho.
Quando me candidatei, acreditava que as dificuldades seriam acrescidas, pois pensava que ainda existia a ideia, no eleitorado, de que à mulher cabe o papel da família e ao homem a política. Mas fui surpreendida pela sabedoria do povo que soube escolher quem acharam ter melhores capacidades para ocupar o cargo.".
Este é o testemunho de Isaura Pedro, a autarca que tem em Leonor Beleza (ex-ministra do PSD) um modelo de referência.
"Gostava um dia de a ver como primeira-ministra de Portugal", confessou, destacando as suas qualidades enquanto mulher e impulsionadora da investigação em Portugal, principalmente na área da saúde.

Diário Regional de Viseu

3 comentários:

Anónimo disse...

a humanidade na sua plenitude em forma de mala de pele. perfeita mulher do renascimento. e bem bonita, a mala.

Anónimo disse...

Olhe que a mala dos afazeres não é tanto assim de pele, porque a pele dos animais não deve servir para que dê geito às perfeccionistas, pois muitos consideram crime!...
A mala dos afazeres e das convenências de improviso, vamos pensar, perante o expôsto no texto, que é de outro material e que foi com essa intenção que foi comprada, só se por ventura foi enganada...

Bazófia disse...

Falta mulher na política e invistimentos em educação para reverter o atual quadro político de insolvência do País. Do imigrante bazófio, natural de Santar, residente no Rio de Janeiro,receba felicitações de apreço e desejo que continue referência positiva da política.
Grato pela atenção, Bazófia.