sábado, 3 de novembro de 2007

Do Lugar de Nelas à Formação do Concelho…II

O Topónimo "Nelas": a Sua Controversa Origem


A origem do topónimo, que continua a suscitar a divergência dos estudiosos, já mereceu o exame filológico do considerado toponimista Dr. Joaquim da Silveira. Na sua esteira vêm seguindo os estudiosos das origens de Nelas, com especial realce para o Dr. José Pinto Loureiro.
Tendo em consideração a antiga grafia do étimo, considera-se ser a mesma "asnellas", ou seja o diminutivo de "asinus" (asno). Desta forma o nome da povoação equivaleria ao de "burrinha" ou "jumenta", num processo filológico idêntico ao que ocorreu com o nome de outras povoações do nosso país. A evolução da palavra justificava-se assim, segundo o Dr. Joaquim da Silveira, pela vontade inconsciente da população local em afastar o topónimo do radical "asno", que estava na base de alusões desprimorosas para a terra e os seus habitantes,
Resta, todavia, explicar o topónimo na sua integração regional, o que permite supor que as origens de Nelas se ligaram a uma "venda" ou "hospedaria", local de paragem dos viajantes em direcção ao norte e ao sul da Beira Alta. Muita gente, para o seu transporte e de mercadorias, nobres e religiosos, mercadores e almocreves, certamente encontrariam em Nelas o meio animal de que careciam para prosseguir a viagem. A conjectura pode encontrar um argumento válido na existência, a menos de uma légua de distância, de um afluente do Dão, que, na primeira metade do século XII, era conhecido por rio ou "ribeiro dos Asnos". Este topónimo poderia facilmente aplicar-se à povoação vizinha, que era ainda um local de passagem que assegurava o transporte animal a quem dele carecia para atravessar o Dão.
Como diminutivo de "ribeira de asnos", na forma de "asnellas", a palavra tomou a forma de uma corruptela cujo emprego não seria do agrado dos habitantes do lugar.
O étimo orográfico passou a ter aplicação focal na transposição de que se encontram muitos exemplos de nomes de rios depois adaptados para as terras da vizinhança. A supressão da primeira sílaba tinha plena justificação, pela maior facilidade da pronúncia e, em seguida, porque afastava o sentido da palavra que não podia ser do agrado da população da terra. Aliás, três diplomas do tempo em que nasceu o Estado português, favorecem a nossa interpretação sobre a origem do topónimo Nelas na depreciativa versão inicial.
Numa carta a favor do mosteiro de Lorvão, de 20 de Março de 1133, o principe D. Afonso Henriques manda coutar o mosteiro de Sperandei , as "villae" de Sabugosa, Freixedo e Midões, dando a Lorvão toda a propriedade reguenga situada no couto do Rio dos Asnos.
Já elevado à coroa de Portugal, o monarca concede a Gonçalo Pires da Silva e sua mulher Ermenda Martins, em Maio de 1150, várias propriedades no termo de Viseu e junto ao mencionado rio. Dois anos mais tarde, em 30 de Setembro de 1152, D. Afonso Henriques faz doação à Sé de Viseu do coutamento de S. Pedro de Mouraz, no actual concelho de Tondela, que fora doado aos monges de Claraval e que estes, por razões pouco conhecidas, vieram a abandonar. Mais uma vez se menciona aquele rio: "et venit usare ad focem rivuli Asinorum", o que comprova a importância regional deste afluente do Dão.

Prof. Doutor Joaquim Veríssimo Serrão
Presidente da Academia Portuguesa da História

2 comentários:

Alexandre disse...

Continue o bom trabalho. Estava a pensar publicar estes textos, mas já que começou, pode e deve acabar. A historia de Nelas está nesses textos. Excelente.

efeneto disse...

...ainda bem que há uma ideia em conjunto. tenho-o dividido em 9 partes. Um magnifico trabalho deste Professor que todos deveriam ler...Abraço.