domingo, 27 de julho de 2008

O engano das rotundas

Esta breve reflexão surge na sequência do texto sobre a Mata das Alminhas e a sua reconversão em espaço de quase ninguém, pois a sua vocação desportiva foi parcialmente esquecida para que o parque tivesse uns canteiros com relva viçosa onde se esbanja água e recursos financeiros.
Tenho reparado no aspecto "encantador" das rotundas do concelho, pelo menos as principais. Reconheço que as rotundas são infra-estruturas com importante impacto na fluidez do trânsito, mas não deixo de manifestar a minha preocupação relativamente ao que representam. Só para citar alguns exemplos:
  1. No momento da sua construção são desde logo projectadas para conterem uma dispendiosa obra de arte, como se fosse a única forma das autarquias apoiar os artísticas, se a intenção for essa bem poderia ser desmultiplicada em dezenas de pequenas iniciativas com maior impacto nas populações, na medida em que deixariam raízes.
  2. O já dispendioso projecto contempla quase sempre uma estrutura na qual os gastos de água e/ou electricidade poderiam ser evitados: ora são as fontes luminosas, ora a relva a cobrir toda a estrutura, que depois implicam um esforço enorme de manutenção, basta passar durante a noite nessas rotundas para se ver uma equipa da autarquia a zelar pelo encanto dessas nossas obras.
Estes são apenas dois exemplos, mas suficientes para demonstrarem que falta sentido de prioridade nos gastos correntes dos dinheiros públicos. Claro que se trata de um problema nacional. Acredito, aliás, que as autarquias querem oferecer o melhor às populações, falta-lhe é sentido estratégico.

4 comentários:

Anónimo disse...

ESSES SENTIMENTOS FICAM MUITO BEM,AO BEM-INTENCIONADO JOSÉ, MAS QUEM CONSEGUE ENSINAR OS QUE SE JULGAM SÁBIOS OU ATÉ OS "DONOS DA QUINTA" ???.
CONTINUE COM ESSAS CRÍTICAS, CONSTRUTIVAS, PARA BEM DA ELASTICIDADE DAS OBRAS... Parabéns p´lo que já tem dito,para bem do nosso concelho, e também por aquilo que deverá continuar a dizer.

notoj@l disse...

NELAS tem talvez as rotundas mais estupidas do interior.
Mania de copiar mal.
Os problemas que estas rotundas têm criado nos camions que por ali passam.
O problema também é este ser um país de Inginheiros.

Alpha disse...

Li que a última rotunda - a das vinhas de Santar - terá costado qq coisa como 300.000,00 €, fora os custos com pessoal.

Sem mais comentários...

Anónimo disse...

O ENGANO POR UMAS, E A NECESSIDADE DE OUTRAS mas, por não serem percebidas pelos executoures das tarefas que a população necessita que sejam feitas, ( pela dureza dos genes)ainda não foi feita. Em VILAR-SECO é necessária há já muito tempo uma rotunda, onde existe hoje uma placa a dizer VILAR-SECO( a 1ª. indicação no sentido nelas viseu).Se poupassem muito dinheiro, nas duas rotundas que ultimamente foram feitas, já haveria dinheiro para também ser feita esta.Não é por ser terra de presidentes(...)mas para a estrada viseu-nelas, deixar de ser pista nesse local, e esse entroncamento dos contribuintes de língua de seja tão difícil de acesso, causado pela velocidade que aí se verifica.Se alguma vez mais, acontecer algum acidente grave,, que seja um responsável DESSA IRRESPONSABILIDADE.